A importância da Igreja Católica na Idade Média

O poder da Igreja Católica representado pelo Alto Clero.

Para compreender a Idade Média é essencial entender a função substancial assumida pela Igreja Católica nesse período e o seu poder sobre a sociedade feudal.

A Igreja Católica será a instituição mais poderosa e a maior proprietária de terra do mundo feudal. Em 391 o cristianismo se tornou a religião do Império Romano, o que permitiu a expansão e estruturação da Igreja Católica na Europa, resistindo e se fortalecendo mesmo com as invasões bárbaras.

Divisão da Igreja: Baixo e alto clero

Entre os membros da Igreja Católica existia uma divisão entre o baixo e o alto clero. O alto clero eram aqueles membros pertencentes à nobreza, que em sua maioria possuíam grandes cargos relacionados a politica e a econômica, como os bispos, arcebispos e cardeais.

O baixo clero fazia referencia a população mais pobre. Ainda nas divisões existia o clero secular e regular. O clero secular surgirá entre os séculos V e VII concomitante com a necessidade de evangelizar os reinos bárbaros, estes eram aqueles membros da igreja que viviam junto com os fieis.

O clero regular era composto por monges que estavam afastados dos demais fiéis e mundo material e viviam isolados nos mosteiros.

Será justamente nos mosteiros que ocorrerá uma grande circulação de saber e estes se tornaram grandes centros intelectuais e políticos no medievo.

Entre estes estavam os monges copistas, eles eram responsáveis por copiar e preservar a sabedoria de outras civilizações como a Grécia antiga.

A importância da Igreja Católica na Idade Média

Entre os séculos V e XV a Igreja ampliou seu poder econômico e politico. Esta a maior detentora de terra, o que tornava esta a instituição com o maior poder econômico e também com mais poder político, interferindo nas estruturas politicas da sociedade.

Nas relações de suserania e vassalagem, a Igreja era a maior proprietária de terras, isto é, suserana que possuía o maior numero de vassalos.

Esta também intervia nas esferas do poder jurídico construindo leis e também na esfera social e cultural, isto é, os costumes e hábitos disseminados pela igreja condicionavam os comportamentos da população.

A fé cristã promovida pela Igreja Católica irá condicionar toda a formação da cultura medieval, do pensamento, conhecimento até as tradições, era a partir dela que se distinguia o moral, do imoral.

Esta era a instituição que dominava a produção do conhecimento e do saber que regia as relações sociais.

O poder da Igreja Católica representado pelo Alto Clero.

O catolicismo estava em toda a sociedade, seja nas pinturas e esculturas do período, nos vitrais da igreja que também tinha a função de passar a mensagem da fé católica ou até mesmo na música, como no canto gregoriano.

Como esta a religião era considerada a oficial do Império Romano, qualquer outra crença, contestação ou desrespeito da fé católica era punida.

Devido a isso no século XIII foi criado o chamado Tribunal do Santo Ofício, ou conhecido também como Inquisição. Esta tinha como objetivo eliminar e punir aqueles que contestavam a Igreja católica, chamados pelo termo Herege.

O Tribunal irá matar torturar, prender e queimar na fogueira milhares de pessoas que se colocavam em posição contrária a Igreja.

Maíra Pires
Sobre Maíra Pires 26 artigos
Doutoranda em História Social ( PUC-SP), Mestre em História (UDESC), Licenciada e Bacharel em História (UDESC), Pesquisadora do Centro de Estudos Culturais e da Diáspora ( CECAFRO).